Perigo! Um hiperativo no trânsito

Perigo! Um hiperativo no trânsito

por Mário Sérgio Figueredo | 09.03.2013

Você já deve ter parado ao lado de um motociclista que parecia ter formigas no banco da moto, levantando e sentando incessantemente, acelerando desnecessariamente, olhando ao redor e nos espelhos como se estivesse sendo seguido pelo próprio demônio e, quando o sinal abriu, arrancou como se fosse tirar o pai da forca.

O hiperativo ao pilotar ou dirigir transforma-se em um perigo ambulante

Esse, sem dúvidas, era um motociclista hiperativo (há também o motorista hiperativo), portador de uma doença chamada TDAH – Déficit de Atenção ou Hiperatividade, distúrbio psicológico e comportamental provocado pela exposição do bebê em gestação ao chumbo ambiental e consumo de álcool e drogas pela gestante. As fontes mais comuns de exposição ao chumbo ambiental são tinta à base de chumbo, água potável e cerâmica mal esmaltada (Caso queira saber mais sobre esse assunto,  clique aqui ).

Eles são mais numerosos do que imaginamos

O relacionamento e a educação com crianças hiperativas é extremamente difícil para os pais e os educadores, devido aos sintomas que variam de brandos a graves e podem incluir problemas de linguagem, memória e habilidades motoras. O hiperativo tem inteligência normal ou acima da média. O estado é caracterizado por problemas de aprendizado e comportamento. Os professores e pais da criança hiperativa devem saber lidar com a falta de atenção, impulsividade, instabilidade emocional e hiperatividade incontrolável da criança.

O hiperativo e o trânsito

Ao tornar-se adulto, o hiperativo continua apresentando os sintomas citados, tornando-se invariavelmente um indivíduo de convivência difícil, de reações “à flor da pele”, inconformado com toda e qualquer regra que limite o seu jeito de ser ou de fazer as coisas, qualquer coisa, não importando o seu grau de relevância.

Como quase todos os seres humanos adultos, nosso amigo hiperativo torna-se um motociclista ou um motorista e tem que aprender a conviver com uma infinidade de regras que não o deixam pilotar ou dirigir como quer, ou como ele acha que deveria ser, tornando-se um perigo ambulante para aqueles que são obrigados a compartilhar do mesmo trânsito.

Esse perigo decorre de diversas circunstâncias inerentes à hiperatividade:

  • ele é incapaz de andar na velocidade permitida, ou mesmo aquela em que o fluxo está fluindo;
  • acredita que a faixa ao lado está sempre andando mais rápido e por isso vive costurando o trânsito, no ímpeto de chegar mais rápido lá na frente. Nessa hora até acostamento vira pista;
  • não aceita que alguém esteja sinalizando mudança de faixa e entre justamente na sua frente, isso jamais;
  • não entende porque o sinal mudou para amarelo justamente no momento em que ele ia atravessar o cruzamento. Que o mundo pare e espere ele passar;
  • seu egocentrismo o impede de enxergar os outros, tornando suas prioridades inegociáveis. Os pedestres que se cuidem.

Ou seja, o hiperativo apresenta comportamento avesso ao que convencionamos como normal e esse fato o torna imprevisível e ALTAMENTE PERIGOSO. Não conseguimos prever ou entender a forma de pensar de um hiperativo, não estamos preparados para isso. Ao encontrar um motociclista ou motorista hiperativo,FUJA DELE, deixe-o ir embora, abra caminho, busque a SUA segurança.

Ao pilotar, o hiperativo vira um acidente pronto para acontecer

Lembre-se que motociclistas hiperativos são verdadeiros pilotos kamikazes e não conseguem antever a consequência dos seus atos. O certo seria impedir que indivíduos portadores dessa síndrome pudessem dirigir, mas o ruim é que não existem exames clínicos que apontem um hiperativo, disfunção que só é diagnosticada em adultos após baterias de testes psicológicos complicados e caros. Nos últimos meses, devido à facilidade de divulgação de vídeos na web, os sites de armazenamento de vídeos estão “recheados” de vídeos com esses malucos em ação, como os do Tiozão, do Maik Terrorista e outros.

O máximo que podemos fazer é estar sempre atentos a ações imprevisíveis dos motociclistas e motoristas que estão à nossa volta, prevendo que sempre possa acontecer o pior. Aplicar sistemática e instintivamente a direção defensiva, pois só assim poderemos desfrutar do prazer de andar de moto e continuarmos vivos.

Quer uma má notícia? Eles são muito mais numerosos do que imaginamos.

* * * * *

Existe um vídeo disponível na web que demonstra exatamente o comportamento de um hiperativo, chama-se “Pateta, o Rei do Volante”.

Fonte: Texto e imagens: Mário Sérgio Figueredo

Sobre República Editorial

Somos uma editora focada na divulgação do conhecimento que visa o bem-estar humano. Sejam textos não acadêmicos de psicologia, sejam textos afins que objetivem uma vida mais simples e feliz. Como editores, acreditamos que o livro é um objeto de desejo. Desejo do leitor em mergulhar em um vasto universo, que aos poucos mudará sua vida — e sua visão de mundo —, e desejo do escritor em perpetuar experiências, pensamentos ou reflexões. Escrever um livro é perpetuar-se, legando ao mundo das letras o universo pessoal do autor que, possivelmente, influenciará outras pessoas de modo profundo. Escrever um livro é também sedimentar uma carreira profissional, legando conhecimentos adquiridos e fazendo história na profissão, pois tal compromisso de coragem e ousadia mostra a confiança de quem tem a certeza de ter muito a dar aos outros. Sendo assim, temos muito prazer em trabalhar nesse universo. E de tê-lo conosco nesse momento. Para aqueles que desejarem embarcar nessa experiência pessoal única, oferecemos nosso apoio, nossa estrutura, nosso tempo e nosso trabalho, para que juntos enriqueçamos ainda mais esse grande e criativo universo humano. Equipe República Editorial
Esta entrada foi publicada em Sem categoria. Adicione o link permanente aos seus favoritos.
Line Break

Saiba mais sobre República Editorial:

Somos uma editora focada na divulgação do conhecimento que visa o bem-estar humano. Sejam textos não acadêmicos de psicologia, sejam textos afins que objetivem uma vida mais simples e feliz. Como editores, acreditamos que o livro é um objeto de desejo. Desejo do leitor em mergulhar em um vasto universo, que aos poucos mudará sua vida — e sua visão de mundo —, e desejo do escritor em perpetuar experiências, pensamentos ou reflexões. Escrever um livro é perpetuar-se, legando ao mundo das letras o universo pessoal do autor que, possivelmente, influenciará outras pessoas de modo profundo. Escrever um livro é também sedimentar uma carreira profissional, legando conhecimentos adquiridos e fazendo história na profissão, pois tal compromisso de coragem e ousadia mostra a confiança de quem tem a certeza de ter muito a dar aos outros. Sendo assim, temos muito prazer em trabalhar nesse universo. E de tê-lo conosco nesse momento. Para aqueles que desejarem embarcar nessa experiência pessoal única, oferecemos nosso apoio, nossa estrutura, nosso tempo e nosso trabalho, para que juntos enriqueçamos ainda mais esse grande e criativo universo humano. Equipe República Editorial

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>